Sem graça ou Cheio da Graça

“SEGUI A PAZ COM TODOS, E A SANTIFICAÇÃO, SEM A QUAL 

NINGUÉM VERÁ O SENHOR, TENDO CUIDADO DE QUE NINGUÉM 

SE PRIVE DA GRAÇA DE DEUS,... E NINGUÉM SEJA DEVASSO, OU 

PROFANO COMO ESAÚ, QUE POR UMA SIMPLES REFEIÇÃO VENDEU 

O SEU DIREITO DE PRIMOGENITURA. PORQUE BEM SABEIS QUE, 

QUERENDO ELE AINDA DEPOIS HERDAR A BÊNÇÃO, FOI REJEITADO; 

PORQUE NÃO ACHOU LUGAR DE ARREPENDIMENTO...” Hebreus 12.4-6.

A antinomia (abuso da doutrina da graça, que leva uma vida cristã pecaminosa, indolente e frouxa), tem sido constante em nossos dias, fazendo de muitos que professam serem cristãos estarem blasfemando o nome de Deus entre aqueles que não O conhecem: “Assim pois, por vossa causa, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios, como está escrito” Romanos 2.24. “Afirmam que conhecem a Deus, mas pelas suas obras o negam, sendo abomináveis, e desobedientes, e réprobos para toda boa obra” Tito 1.16.

Certa vez entrei em quadra para jogar vôlei com um grupo de pessoas que se diziam cristãos, e o jogo não havia regras. Podia-se dar dois toques, bater a mão na rede e etc... Daí eu inquiri: - Aqui se joga sem regras?, e alguém me disse: - Aqui estamos na graça irmão e não debaixo da lei.

Isto é uma visão deturpada da graça, é antinomia. A graça não exime o homem da obediência, da santidade, mas é a suficiência: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum... Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois quê? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum” Romanos 6.1-2, 14-15. A graça e a verdade vieram por Jesus (João 1.17). A graça é a suficiência da vida Santa de Jesus em nós fazendo-nos andar em santidade e justiça todos os dias da nossa vida: “de conceder-nos que, libertados da mão de nossos inimigos, o servíssemos sem temor, em santidade e justiça perante ele, todos os dias da nossa vida” Lucas 1.74-75. A graça é Cristo vivendo em nós e não mais eu, o pecador: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Não faço nula a graça de Deus;...” Gálatas 2.20-21.

Não estamos mais debaixo do primeiro pacto, da lei que era o ministério da morte, mas do segundo pacto. Neste segundo pacto Deus não excluiu a lei, mas a escreveu em nossos corações: “Ora, este é o pacto que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo; e não ensinará cada um ao seu concidadão, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior. Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, e de seus pecados não me lembrarei mais” Hebreus 8.10-12.

A lei não foi excluída, mas gravada nos corações dos verdadeiros cristãos, porque a graça é Cristo cumprindo com prazer tudo em nós, inclusive a lei. Deus chama esta lei de lei da liberdade, ou lei do Espírito de vida em Cristo Jesus: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte” Romanos 8.1-2. “E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Pois se alguém é ouvinte da palavra e não cumpridor, é semelhante a um homem que contempla no espelho o seu rosto natural; porque se contempla a si mesmo e vai-se, e logo se esquece de como era. Entretanto aquele que atenta bem para a lei perfeita, a da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas executor da obra, este será bem-aventurado no que fizer” Tiago 1.22-25.

É bem clara a Palavra de Deus para os espirituais quando diz: “Fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse eu debaixo da lei (embora debaixo da lei não esteja), para ganhar os que estão debaixo da lei; para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei” I Coríntios 9.20-21.

A graça não é estar sem lei, mas na lei da liberdade, na lei do Espírito de vida em Cristo Jesus. A lei de Deus é eterna e santa, mas o homem é carnal vendido sob o pecado: “De modo que a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom. Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado” Romanos 7.12, 14. Na graça essa lei não está mais escrita em tábuas de pedra, nos acusando e nos matando, mas em tábuas do coração, no Espírito, para obedecermos em Cristo: “sendo manifestos como carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne do coração... Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade. Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” II Coríntios 3.3, 17-18.

“Todo aquele que comete o pecado é escravo do pecado. Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” João 8.34-36. O homem pecador é escravo do pecado, ele não pode estar sujeito à lei de Deus e agradar a Deus: “Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem em verdade o pode ser; e os que estão na carne não podem agradar a Deus” Romanos 8.7-8. Somente aquele que nasceu de novo, aquele que morreu com Cristo para o pecado, e ressuscitou juntamente com Ele em novidade de vida, portanto, foi por Cristo liberto do pecado, pode gozar desta liberdade e andar por Cristo na lei da liberdade. Somente a nova criatura, aquele que está em Cristo (II Coríntios 5.17), é livre para andar em obediência, para gozar da Sua graça.

Usar da graça para livrar alguém da responsabilidade de obediência à lei de Deus é enganar-se a si mesmo: “a saber: a vida eterna aos que, com perseverança em fazer o bem, procuram glória, e honra e incorrupção; mas ira e indignação aos que são contenciosos, e desobedientes à verdade e obedientes à iniqüidade; tribulação e angústia sobre a alma de todo homem que pratica o mal, primeiramente do judeu, e também do grego; glória, porém, e honra e paz a todo aquele que pratica o bem, primeiramente ao judeu, e também ao grego; pois para com Deus não há acepção de pessoas. Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados. Pois não são justos diante de Deus os que só ouvem a lei; mas serão justificados os que praticam a lei (porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem por natureza as coisas da lei, eles, embora não tendo lei, para si mesmos são lei, pois mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os), no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Cristo Jesus, segundo o meu evangelho” Romanos 2.7-16. “Deus é luz, e nele não há trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos nas trevas, mentimos, e não praticamos a verdade” I João 1.5-6.

Aqueles que se apóiam na Graça para viver uma vida cristã indolente diante de Deus mostram que falta a regeneração, o arrependimento.O arrependimento é uma mudança de mente, operada por Deus na regeneração. O pecador que recebe de Deus o arrependimento é convencido pelo Espírito da culpa pelo pecado, da separação de Deus, da Sua Ira, do estado miserável e da condenação eterna no lago de fogo. O arrependimento que vem de Deus pelo novo nascimento traz ao pecador uma mudança verdadeira de coração, de espírito e de mente. Esta mudança o levará a ter nojo da sua vida passada no pecado: “Aspergirei água pura sobre vós e ficareis purificados de todas as vossas imundícias...Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. Ainda porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas ordenanças, e as observeis.Então vos lembrareis dos vossos maus caminhos, e dos vossos feitos que não foram bons; e tereis nojo em vós mesmos das vossas iniqüidades e das vossas abominações” Ezequiel 36.25-27, 31. “O temor do Senhor é odiar o mal; a soberba, e a arrogância, e o mau caminho, e a boca perversa, eu os odeio” Provérbios 8.13.

Deus nos mostra pelo versículo que iniciamos, que sem a santificação ninguém verá o Senhor. Ter a graça como um meio de justificar a vida em pecado é privar-se dela. Viver privado dela e professando essa graça é devassidão, é profana-la, é fazer mal uso das coisas santas de Deus.

Para os tais só se espera condenação, como o foi com Esaú, ainda que se derrame lágrimas: “Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor de fogo que há de devorar os adversários. Havendo alguém rejeitado a lei de Moisés, morre sem misericórdia, pela palavra de duas ou três testemunhas; de quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue do pacto, com que foi santificado, e ultrajar ao Espírito da graça? Pois conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo” Hebreus 10.26-31.

“Todo o que permanece nele não peca; todo o que  peca não o viu nem o conheceu. Filhinhos, ninguém vos engane; quem pratica a justiça é justo, assim como ele é justo” I João 3.6-7. “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, de sorte que venham os tempos de refrigério, da presença do Senhor” Atos 3.19. “...onde abundou o pecado, superabundou a graça” Romanos 5.20. Amém.

Edward Burke Junior

Retornar